Não quero ser o ultimo a comer-te

Se em tempo não ousei, agora é tarde,

Nem sopra a flama antiga nem beber-te

aplacaria sede que não arde

 

Em minha boca seca de querer-te

de desejar-te tanto e sem alarde,

fome que não sofria padecer-te

assim pasto de tantos

e eu covarde

 

a esperar que limpasses toda a gala

que por teu corpo e alma ainda resvala

e chegasses, intacta, renascida,

para eu travar comigo a luta extrema

que fizesses de toda a nossa vida

um chamejante, universal poema

 

Carlos Drummond de Andrade

 \\

Angelina Andrade responde

 

Que me importa de ser a ultima a comer-te

de em teu corpo aplacar a minha fome

Se tenho ainda mais sede de beber-te

e incendiar-me no fogo que nos consome

 

Não te acovardes de querer-me com verdade

Com esse corpo, já por mim enlouquecido

Se igual à tua é a minha vontade

de um prazer por ambos apetecido

 

E sem luta, mas com vontade merecida

neste corpo que apetece, agora ao teu

Sem gala e renascida nesta pena

no desejo feito corpo de um poema.

 

Angelina Andrade

http://angelinaandrade.spaces.live.com/

Anúncios
 
 
 

Não vou aqui prestar homenagem ao meu poeta preferido,

não porque não os tenha mas porque são vários.

Vou sim prestar homenagem ao poeta da minha cidade,

 

  José Régio

Não sendo natural de Portalegre, foi nesta cidade que viveu grande parte da sumuseu com o seu nome.

 

Quando eu nasci

 

Quando eu nasci,
ficou tudo como estava,
Nem homens cortaram veias,
nem o Sol escureceu,
nem houve Estrelas a mais…
Somente,
esquecida das dores,
a minha Mãe sorriu e agradeceu.

Quando eu nasci,
não houve nada de novo
senão eu.

As nuvens não se espantaram,
não enlouqueceu ninguém…

P’ra que o dia fosse enorme,
bastava
toda a ternura que olhava
nos olhos de minha Mãe…

 

José Régio

 

Quando nasce um poeta

 

Quando nasce um poeta

Uma nova luz se acende

Um sentir que transcende

A alma do simples mortal

 

O poeta imortaliza os sentimentos

Reveste-os de um encanto especial

Tantas vezes canta a dor

A amargura  e o desalento

Sempre com a esperança

De quem vive para o amor

E nos seus sonhos alcança

A paz no coração

 

Momentos em que descansa

Da inquietude de alma

Que vive a toda hora

No desejo incontido

De querer mudar o mundo

Sonho que embora saiba perdido

Não deixa de guardar

Como seu sentir mais profundo

 

Por isso não digas, poeta

Que o mundo te é indiferente

Sem a tua luz

Que seria da alma da gente?!

 

Liz

http://coisasdemim1966.spaces.live.com/

 

 

“Poetas do Mar”

Posted: 30/08/2010 in Sem categoria
 
De forma simbólica e por gentileza de uma das nossas amigas – Angelina Andrade – eis uma
homenagem, não a um poeta, mas a todos os poetas que se inspiraram e escreveram ao MAR.
 
*****
 
 
 

Meu Mar….

 

 Que hoje atacaste a minha praia

em grito enraivecido

Trazias o lamento, daqueles que roubaste

na força dessas ondas, o gemido

Trazias o lamento, dos navegadores

que em ti fizeram estrada

e deles?

Agora, esquecimento!

Trazias a bravura, dos homens do meu povo

o seu padecimento

nas lutas do seu dia, procurando alimento

Trazias no teu sal

lágrimas de viúvas, de quem neste momento

ainda escuto o lamento

Meu mar…

Fiz tantas perguntas

e tu, nada me dizes!

Dou-me por vencida

pois se tu és morte

meu Mar, és igualmente Vida

&&&

Enfrentei-te sem receio

comunguei, da tua dor

Enrolei-me numa onda

nos braços de Adamastor

que ao ouvido me segreda….sou Vida e sou Amor!

 

[Angelina Andrade]

 

 

 http://angelinaandrade.spaces.live.com/

 

"A minha homenagem, dada a dificuldade de escolha

Vai para todos os Poetas a quem o Mar, inspirou "

 

*****

E nós agradecemos a tua inspiração

no nosso trabalho:

 

Rascunhos & Sentimentos

Espaço que abre as portas
Para partilhar sentimentos
Em telas de cor me fiz

Palavras de aguarelas
Em pinceladas de letras
Com que pinto minha telas.
Aqui encontrei amigos
Com partilhas de tantas dores
Encontrei tantos poetas que cantam os seus amores
Alegrias partilhamos
Dores partilhamos também.
Mas este espaço é de todos aqueles que vêm por bem
Eles nos abrem as portas
Na partilha de momentos
Por isso a minha homenagem
A Rascunhos & Sentimentos

 

[Angelina Andrade]

DE VOLTA….

Posted: 26/08/2010 in Sem categoria

 

 

Conforme o prometido aqui estamos de volta para dinamizar este espaço de todos nós.

Pretendemos continuar a conviver poesia, com a actividade POETA DA SEMANA, sempre que haja um novo poeta para dar a conhecer, com a CIRANDA POETICA, desafiando mensalmente os poetas a escrever sobre um tema, e ainda com uma nova actividade semanal que denominaremos HOMENAGEM AO MEU POETA.
Para esta nova actividade convidaremos a cada semana um dos poetas amigos a homenagear o seu poeta de eleição.

Terá total liberdade na escolha de como essa homenagem será feita, poderá escrever um texto, em prosa ou em verso, poderá fazer um dueto utilizando um poema do eleito ou poderá fazer qualquer outro género de homenagem que ache adequado.

Esperamos ter a vossa colaboração como sempre tivemos e continuaremos sempre á espera das vossas críticas e sugestões.

 

Saudações Poéticas

"Rascunhos & Sentimentos"

 

BANNERS

Posted: 26/08/2010 in Sem categoria

  

 

O nosso BANNER 

Código a copiar:

<p align=center><a href="http://cid-1e85f1ca5b05f586.spaces.live.com/" target="_blank">
<img src="http://i291.photobucket.com/albums/ll288/RascunhoseSentimentos/RSBA.gif" border=0>    

  

Outro projecto:

CÓDIGO:

href="http://umaportaparaarte.spaces.live.com/" target=_blank>

<IMG src="http://i821.photobucket.com/albums/zz131/albumarte/PORTALBNR.jpg" border=0>

  

PAUSA

Posted: 26/04/2010 in Sem categoria
 
 
 
 
 
 
Porque me olhas assim
 
 
Porque me olhas assim
Quero saber  o que pensas
Porque me olhas e nada me dizes .
Observo a emencidão de seu olhar.
Com paciência e resignação
Nossos olhos se encontravam presos no fundo do olhar um do outro.
Sua voz se solta
Porque me rondas assim!!
……..
Não ,não fales
Deixa  me que te olhe,não digas nada!! 
Deixa que eu te olhe profundamente
Avisto
Em teu olhar
Uma imensidão de sentidos
Onde  certamente gostariamos de nos perder e viajar com eles.
Para onde !!!
Só o  destino poderia nos dizer
Estes sentidos que  levaram
A querer  sentir e acariciar
E que o vento teimou em levar
 
Porque me olhas e me rondas  assim
 
 
Anita de Castro & J. Rodrigues
 
Foto:  Romulo Lubachesky – Olhares.com