Arquivo de Novembro, 2009

 

Quero tanto

 
Se não quero mais, amigo?!
Mas eu quero tanto… tanto…
Que tanto quanto quero
Não cabe no que digo…
 
Quero mergulhar no Universo
E dançar no mar imenso
Ter Paixão no que faço
Cantar a vida num verso
 
Se não quero mais, amigo?!
Mas eu quero tanto… tanto…
Que tanto quanto quero
Não cabe no que digo…
 
Eu quero ser o que ninguém ousou
E quero ser tom, quero ser som
Eu quero ter o dom
De me fazer amar pelo que sou!
 
Se não quero mais, amigo?!
Mas eu quero tanto… tanto…
Que tanto quanto quero
Não cabe no que digo..
 
Eu quero ser a noite e ser dia
Quero ser bonança, ser temporal
Quero ser a impura, ser a Vestal
Quero ser a musa… e a poesia…
 
 
 
Ginasol Wookie
 
 
 
 
Fotografia: David Caretas – Olhares.com  
 

 

Tema proposto para reflexão durante esta semana:

 

Sentimento de dualidade, existente em todos nós!

 

Anúncios

 

“MÃE e FILHA DE CORAÇÃO”

 Noite fria, escura e sombria

Perdida entre lágrimas, na solidão

Pensamentos negros, nostalgia

Mágoa, dor e escuridão!

Sentei-me a escrever

Nada via, nada sentia

E… Sem destino

 Naveguei neste mundo virtual.

Nossos destinos se cruzam

Encontrando-te em desespero

Com o coração ferido e angustiado

Por tão grande perda, dilacerado.

A tua/minha dor

Em comunhão

Numa luta desigual pela VIDA

Serias a “filha” virtual.

Procurava-te cada dia

Para um olá de coragem e esperança

Ajudamo-nos mutuamente

Entre risos e choros de criança.

Hoje “FILHA” Querida

 Fazes parte dos meus dias

Sendo a minha grande AMIGA

E a minha “FILHA ADOPTIVA”.

 Eu, filha adoptiva 

Andava nas trevas perdida

Entregue ao sofrimento

Num mundo sem esperança, dorida

Da dor da perda e da morte…

Numa vida sem alento.

 Por acaso te conheci,

Neste mundo virtual

Em ti encontrei apoio

Carinho e conforto espiritual.

 Deste-me conselhos maternos

Mostraste-me a luz, ao fundo do túnel…

Ensinas-te truques deste mundo virtual

Criamos laços de amizade, eternos.

 Hoje cultivamos o carinho, calorosamente

A preocupação mútua, a amizade

E sei que estás sempre presente

 Mesmo quando ausente…

Somos a MAMY e FILHOTA, de coração

 CARINHOSAMENTE!

Alexandra/Flor

Foto: Emanuel Carreiro – Olhares.com

 

Laços eternos

 

 

Rio crescente da nascente até a foz

Pontes de palavras que nos unem

Nas margens de uma só voz.

Na rouquidão pressa no peito

Laços eternos

Na pura essência de ser eu e tu

 

Aguas cristalinas metáforas de uma amizade

Fontes de sentimentos em sintonia

Na presença e na saudade.

Na distância que fica tão perto

Mar de emoções tatuadas

No preceito galopar das veias

Ardor quente

 

Mãos estendidas de uma a outra margem

Rio que se alonga na clareira da linguagem.

Aguas mansas que desaguam em nossos braços.

Nas marés plenas de vida descalços momentos

No fino pó do destino limpo e translúcido

 

Correnteza de emoções

Alimento que sacia as almas em sintonia

E os nossos corações.

 

A certeza enraizada

Nos segredos guardados

No mais secreto búzio

Confidente e sublime

Símbolo dos fortes abraços

Ancorados até à eternidade….

 

 

Ana Coelho

&

São Gonçalves

 

 

Fotografia: luis Lobo Henriques – Olhares. com

 

 

 

Criações.
 – Gênesis Eternas

Se o mundo não se houvesse
o que de mais aqui estaria?
Talvez um monte enevoado de trilha
dos cosmos destroçados feito neve.

E aquela trilha do solar em colapso
de névoa densa se ajuntaria
da espalhada desordenada no espaço
massa do nada e tornaria

numa dança frenética em canta   
De mancebo novo, no chamar da valsa
da maneira incauta e que encanta
a qualquer moça de olhar inata.

Então, aquela infinidade de corpos
ínfimos corpos provindos
do imenso e distante macrocosmos
se alinhando impólutos como vinhos

Giram e giram, no quase lascivo
digno, estremecendo o todo no inaudito
alinhar de esfera negra e vermelha.

E aquele valsar o torna definitivo
lar por de novo, do antigo predito
do sábio famoso em eras de destroçar, candeias!

É lindo esse explodir que sobre a esfera
a toma de maneira que,
o surdir das explosões feris
surgem no tombá-la por todo, completa.

E continuam, explodem, com o negror
do universo por sobre ela, donde eclodem
reverberando em grande magma enorme
surgindo de vulcões com furor!

Fazendo da terra brotar, os torpes
as fulguras impuras, fumaças túmidas de odor
enojante, exalando as nuvens disformes…

Vistas do universo; já és vivida e imensa esfera
cercada pelas diáfanas chuvas as quais, em primor
se desfalecem sobre ela, e d’uma humanidade em terra.

Ah! Belos cosmos de asteróides,
cometas, e gigantescos sóis,
guardais sobre a densa manta onde vós,
repousais a infinidade de gênesis novas, girassóis!

Crias.
– Genesis Eternitis

http://treeegggs.spaces.live.com/

Link.

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.
Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado
crédito ao autor original
(Cite o nome do autor "Tassio Bruno F. Silva"
e o seu Pseudonimo "O Presbitero" junto ao link para o email "darkest_lost@hotmail.com")
.
Você não pode fazer uso comercial desta obra.
Você não pode criar obras derivadas.

Foto: Olhares.com – Mário Rodrigues

 

O tema proposto para debate esta semana é:

Tempo, eternidade e o pai Infinito, Deus.

 

 

Mar e Céu

 

Pensei  em  ti na hora que acordei

Não consegui mais dormir

Fui  ao encontro da noite

Olhar o luar o céu e as estrelas

Sentiu a maresia do mar que a noite me oferecia

Inesperadamente choveu

Pensei em ti meu amor

Dizias que a chuva me inspirava

Mas tu a que és esse alguém que me inspira

Alimentas a minha inspiração

Me devolves as palavras nos minutos calados da noite

Voltei para casa fico olhar pela janela do meu quarto

Enquanto ouço o som da mais linda melodia do amor

E o bater das ondas do mar

Meus pensamentos vão longe á procura do meu amor

Meu coração vai ao encontro do teu

Numa viagem pelas estrelas do céu

Onde iluminas as minhas noites de solidão

Amor  dos sonhos meus

Vem banhar-te no brilho das ondas do meu mar

Toca-me e sente os meus mais puros desejos

Vem amor viver em meus braços

Vem sentir minha pele macia

E perfumada pelos ares da minha ilha

E pela brisa do mar

Quero sentir a tua face na minha face numa dança de prazer

Noite e dia

E assim vou escrevendo estas palavras

De amor e sigo ao teu encontro

Palavras minhas que expressam a minha verdade

E as minhas lágrimas que agora correm

Como as gotas de chuva

Se tornem em felicidade

Ficarei abraçada a ti

corações acelarados e descompassados

para alem do horizonte

te falando o quanto eu te amo

Seguiremos as estrelas nos banhando neste mar nos verdes campos se abrindo

e nesta noite chuvosa e enluarada

chão de estrelas acariciam meus sonhos 

e reflecto pensar nessa magia escrita

pelos versos do mar

e pelo Azul do céu

Me resta um minuto

para viver

uma vida

com um beijo teu.

 

 

Céu & Anna Soares