Arquivo de Março, 2008

 

 

 

 

Sabias tu que …

Tu queimas o meu coração,
Tu queimas a minha vida,
De um amor infinito, em vão
Com uma extrema doçura querida,

Cada dia, cada noite, resumo,
Eu me consumo e me, destruo,
E para aquela que um dia de ardor,
Rapidamente me declarou o seu amor,

Ternura, doçura sem estar a contar,
São as palavras mestras do coração,
Aquelas que se ousa dizer bem alto,
E em acrescentando o verbo amar,

Tu és aquela, e o meu corpo está em brasa,
E me queimo, é por quem eu dou o meu amor,
Só com as palavras de doçura, me abrasas,
De momentos de felicidade, neste fervor,

Olhares trocados, ó minha verdade,
Meu leste de amor e de cumplicidade.
Estrelas num céu, e nos teu olhar,
A alegria de partir e vermos o luar,

Mão na mão, hoje e amanhã, sempre irão,
Seguirmos os dois o mesmo caminho, amor,
Sonhos cheios na cabeça, a encher o coração,
Só do prazer de amar, e sem sentido do pudor,

Amar e esquecer, viajar e voar, na mente,
Deixar as feridas do passado. Sonhar do Céu,
Justo só a magia do amor, para voarmos tu e eu,
Uma linda vida de felicidade amar para sempre.

 

Menéstrel

 

http://menestrel2.spaces.live.com

 

 

 

Foto: Guilherme Santos – Olhares.com

 

 

Á semelhança do que tem vindo a acontecer, aqui deixamos o tema de debate desta semana.

Pelo facto de não termos recebido atempadamente resposta do Poeta da Semana,

“Rascunhos e Sentimentos” na base do Poema gentilmente cedido pelo nosso poeta, sugeriu:

“Amor”

 

 

Anúncios

 

 

Alma sou…

 

 

Sou alma iluminada

Soltam-me dos lábios

Belas melodias

E dos meus membros

Danças de amor

Quero vaguear eternamente a teu lado

Deixa-me acompanhar-te

De coração dado

E as mãos a arder

E a minha aura iluminada

Chama a brisa do vento

Chama a frescura do mar

E levita de prazer

Fica tão fácil entregar minh’alma

Sendo cúmplices nesta vida

Não importa o tempo

Sigo buscando o meu destino

Meu anseio é a liberdade

Dou-te os meus versos…

As minhas rimas…

Os meus sentimentos…

São, por vezes só lamentos…

Mas que me aliviam a dor.

Sou alma ensandecida.

Sou apenas emoção…

 

 

 

Alma

 

http://cid-eb6e5d8ef915a48b.spaces.live.com/

 

 

Foto: Sónia Cristina Carvalho – Olhares.com

 

Á semelhança das anteriores semanas aqui deixamos o tema que o

Poeta da Semana deseja que seja debatido:

"Cumplicidades"

 

Dia Mundial da Poesia

Foto: Mar de Sonhos – Olhares.com 

 

 

  

          II POEMA PARTILHADO              

 

 

 

Poesia é hoje e sempre

Não só a 21 de Março

A Poesia está presente

Em cada gesto, carinho, abraço

Poesia é Vida sentida e Vivida.

Ah!… Poesia!…
És minha amiga e companheira
Contigo, choro, corro, voo tal qual um beija-flor
Por entre flores em Mágicos Jardins
Sorrio, canto, declamo o amor

Nada mais me importa ou assusta…

De olhos fechados deixo-me ir…

E era espuma de sonhos…

E eram novelos de segredos…

 

O Mar falou-me da sua grandeza,

dos tesouros que nele se escondem,

de animais que nele habitam,

das forças que o agitam.

 

Eu falei de ti,

e ele sentiu-se pequeno…

 

Sorrio, canto, declamo o amor,

vibro de emoção ao escrever…

Poesia é sentimento, paixão, calor.

Se não for assim vai perecer.

 

Lá em cima as nuvens

fazem cócegas umas

ás outras…

A brisa da tarde acaricia

as montanhas, os outeiros

e os vales…

 

Há um movimento eterno

que me fustiga o corpo

e me cansa a memória

Algo me remete para

o imenso…

Meus dedos continuam

a cantar poesias…

 

Todas as Poesias são escassas

Para dar continuação ao cordão;

Da Solidariedade da Comunhão:

Dar, Vivas à Vida que nos Abraças!

 

 

E abraçam-nos as palavras

Acariciam-nos as suas rimas

Aninhamo-nos nos sentimentos

Adormecemos sobre poesias

 

 

Vida que nos abraças

Em cada novo renascer

Deixando por onde passas

Aromas de flores a crescer

 

Crescem as flores nas montanhas

Primavera acaricia-nos com sua cor

Aproveitemos as alegrias tamanhas

Com o renascer em todo o seu esplendor

hoje , num novo amanhecer

sinto aliviada a minha dor ,

nunca deixa de ser prazer

vossa companhia , vosso calor

 

Amor … Nobre sentimento

Nasce num segundo…

Floresce num momento…

O caminho é longo…

O cantar da natureza

Os pássaros, os rios e os ribeiros…

Fazem me esquecer o sofrimento… 

 

 

Participação:

**Anna**, Flor, mena, Fátima, Marcelle Barreto, Eterna, Madalena,

Santos, Alma, Liz, Nuvem, Afonso Castilho, Einstein

 

 

  

 

Perdeste poeta…

 

 

Louco poeta… Perdeste!

A noção da tua vida;

Olha! Tu não mereceste,

que fosse tua querida.

 

Deste-lhe amor numa rima,

nos poemas que escreveste…

Era deusa muito acima,

quando tu… Tanto desceste.

 

Quando ela te beijou,

sentiste que era divino.

Mas vê! Ela não te amou,

o poema era destino…

 

Perdeu-se noutras cantigas,

deu-te um pouco de calor…

As rimas que tu castigas,

sofrem tristeza e dor.

 

Versos sem culpa formada,

na maldição do poema;

Essa mulher foi amada,

de uma forma serena.

 

Ao homem o fez poeta,

a viver na poesia…

Foi a forma mais correcta,

de dizer… que o não queria.

 

 

António Zumaia

 

Estoril – Portugal

 

http://vadio31.spaces.live.com/

 
 
Foto: Miguel Lucena – Olhares .com

 

Á semelhança das anteriores semanas aqui deixamos o tema de debate desta semana, desta vez não foi escolhido pelo Poeta da Semana porque não recebemos a sua resposta atempadamente.

“Rascunhos e Sentimentos” na base do Poema gentilmente cedido pelo nosso poeta, sugeriu:

 

"Força para vencer."

 Uma característica nata ou característica adquirida?

 

 
 
 

 

O MEU ESPAÇO REAL 
 
Um bom abrigo para os animais
É dos sítios que gosto mais
No meu espaço bem natural
Julgo faltar pouco animal
 
Galinhas são às dezenas
Animais tolos a largar penas
Umas esgravatam tudo sem parar
Outras não param de se espolinhar
 
As coelheiras vêm a seguir
São três coelhas sempre a parir
Os laparotos estão a mamar
Não param nunca de se alimentar
 
Junta-se água num pequeno charco
Os patos nadam à volta de um marco
Alguns na beira a apanhar sol
Outros patinham na lama mole
 
Os canis já estão lotados
Várias raças de ambos os lados
O da direita merece atenção
São Golden Retriever com criação
 
Mãe extremosa e dedicada
Dá de mamar à cachorrada
Oito cachorros para oito tetas
As refeições são sempre completas
 
No da esquerda pouco se passa
Apenas as minhas cadelas de caça
Todas de raça diferente
Todas com um faro bem potente
 
Num bom lago ornamentado
Nadam os peixes por todo o lado
Bogas, barbos e escalos
Todos os dias há que alimentá-los
 
Pescados por mim em vários rios
Baldes cheios outrora vazios
O regresso é sempre atribulado
Mas chegam sempre em bom estado
 

Numa gaiola um corvo assobia
Diz sempre olá a quem espia
Não pode ver ninguém a passar
Pouco se entende mas começa a falar
 
Os porcos roncam e querem comer
Comem tudo o que lhes der
As portas abertas para arejar
Pois na lavagem estão a fuçar

 

Numa das cortes tem um vitelo
Tem na orelha um pequeno selo
Será um dia para abater
É para a família a carne que der
 
Com as ovelhas ninguém se enerva
Pois passam a vida a comer erva
Andam no campo sempre a rapar
Qualquer rebento a despontar
 
Temos por último o pequeno Dick
Um pequinês sempre ao despique
É o que aos meus pais dá calor
É um cachorro de interior
 
Mas tudo isto dá que fazer
Pois todos eles têm de comer
Seguramente não é vida mansa
Quem anda por gosto nunca cansa


 

NATURE

 

 http://quentissima.spaces.live.com/

 

Foto : Honey – Olhares.com

 

 

 

Á semelhança das anteriores semanas aqui deixamos o tema que o

Poeta da Semana deseja que seja debatido:

"Alienados"

 

 

 

 

 

Naufrágio

 

 

Qual barco na imensidão do mar

navego pela vida sem remo

 meus sonhos levo comigo

tempestades, tormentas carrego

na demanda do saudoso abrigo.

 

Perco-me …

Sozinha

procuro-me.

Já não sei de mim.

 

A alma repartida e desvairada

mergulhada em rios lacrimais

o peito oprimido e triste

já não mais busco o aspirado cais.

 

As forças dissipam-se em dor

que me desfibra e me consome

 e bem no fundo do dentro

naufrago no meu desalento

 

  E aos ventos solto prantos  

 que em murmúrios se esvaem

 e em ecos  mudos se diluem.

          …     

 São gritos nunca ouvidos

 desvivo na tua ausência.

 

 

MF

 

http://cid-4b92559b53197846.spaces.live.com/

 

 

  Foto: Possi Yoni Lingo  "picasaweb.google.com"

 

 

Dando seguimento a uma sugestão do nosso amigo Paulo Coelho, e com o manifesto apoio de

muitos outros amigos, “Rascunhos & Sentimentos” solicitou ao Poeta da Semana que nos

indicasse um tema sobre o qual gostasse de ver os nossos escritores “rascunhar”.

Visto que a nossa poetisa, esta semana, é a nossa amiga Mf, o tema indicado por ela é:

 

“A essência do ser humano”

 

Dêem largas à imaginação e deixem-nos os vossos textos via comentário até ao final da semana.